Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Prisioneira do Tempo | Livro II - Atlântico | Patrícia Madeira

prisioneira do tempo.jpg

Título: Prisioneira do Tempo | Livro II - Atlântico

Autor: Patrícia Madeira

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 784

ISBN: 978-989-9096-27-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Como pode uma mulher regressar a casa, se ela própria já não é a mesma?

Depois de em Prisioneira do Tempo - Recife ter viajado para o Brasil de 1813 e vivenciado a Revolução Pernambucana, Manuela está agora de volta ao século XXI, trazendo com ela duas mágoas: a notícia de que o seu amado Francisco faleceu e toda uma antes impensável necessidade de adaptação ao presente.

Estará Henrique, o marido, à sua espera? As amizades permanecerão intactas mesmo após a distância? Voltará ela a viajar no tempo? Para quando? Para onde? E como poderá fazê-lo?

Do outro lado do Atlântico, porém, Francisco, um militar agora elevado a general, não morreu. Mas a certeza de que esse terá sido o destino de Manuela transformou-o num homem emocionalmente destruído.

Afastados pelo mar e pelos séculos, poderão eles reencontrar-se?

Esta é a ansiada continuação de uma história carregada de ação, emoção e acontecimentos históricos do século XIX que emocionou milhares de leitores.

 

Opinião: Recife, o primeiro volume da história de Prisioneira do Tempo, conquistou pela boa parceria conquistada entre ficção e factos históricos que Patrícia Madeira conseguiu implementar na sua criação tão bem conseguida onde através da vida de Manuela o leitor é convidado a viajar no tempo, do século XXI para o século XIX, mais concretamente até Recife, no ano de 1813. Com o regressar ao presente, as alterações na vida desta mulher são notórias, uma vez que não aceita o que deixou para trás, a sua paixão por Francisco, para voltar à sua vida, tão vazia e fora de si, no presente. E assim começa o segundo volume desta saga que é a Prisioneira do Tempo.

Iniciando todo o processo no presente onde regressou grávida, Manuela tenta mostrar ao seu marido Henrique, e para com a sua melhor amiga, tudo o que passou enquanto esteve desaparecida. Como explicar de forma a ser acreditada que esteve num passado tão longínquo onde viveu durante anos se não é possível viajar no tempo? Os meses passam no presente, a gravidez avança e uma nova perda acontece, deixando Manuela devastada, regressando assim a um tempo que já foi seu e onde tem tudo para redescobrir, num novo local, mas na mesma época. Estará afinal Francisco no passado, que acreditou ter perdido a sua amada para sempre, preparado para um encontro quando a sua vida parece estar, sem vontade, a seguir entre várias interrogações dentro de uma nova normalidade que não vai de encontro à sua vontade? Este regresso ao local onde foi feliz acontece, novas descobertas trazem consigo outras perspetivas de vida e também vários receios sobre um possível novo desgosto que a pode levar a regressar ao presente onde não deseja estar.

Big Brother sem Ouro

big brother.jpg

Em noite de Globos de Ouro na SIC, a gala do Big Brother foi de saídas e entradas, sem ouro mas com grande tentativa para criar falatório e discórdia. O anúncio foi feito perante uma edição intitulada de Tempestade que iria virar Furacão com a entrada de X concorrentes com direito a uma dupla expulsão.

Os novos concorrentes chegaram e logo foram mostradas imagens sobre o que tinham a dizer sobre os residentes que entraram de início no jogo. Diogo Coelho a abrir estas segundas entradas, com 29 anos, casado e pai de gémeas, a promessa deste novo residente para entrar na casa é a de bater de frente com alguns dos concorrentes que se têm tentado mascarar no jogo. Os novos concorrentes tiveram de fazer escolhas, a Diogo Coelho calhou destruir uma dupla, optando por separar a Frederica e a Joana, optando o Diogo por fazer parceria com a Frederica. Juliana Vieira, a concorrente que vende conteúdo sexy na internet e que promete com o corpo dar bem nas vistas dentro e fora da casa. Para já acredito que provoque alguns ciúmes entre os casais da casa e também que tenha na frontalidade a sua arma forte no jogo. A Juliana teve de fazer nomeação direta com a sua chegada e acabou por escolher a Mafalda. Patrícia, de 38 anos, e Jessica, de 18, mãe e filha, as concorrentes chegam de Vila do Conde com uma boa energia, a mais nova então parece que entrou para dizer o que pensa sem receios e de forma bem espontânea, tendo ficado com a função de fazer uma expulsão direta que calhou à Diana que parecia deixar o jogo de forma inesperada, deixando a casa em lágrimas, no entanto já em estúdio a Diana despediu-se de todos mas regressou em segredo à casa para um quarto secreto. Onde já se viu algo do género mesmo? Já a Patrícia teve de entregar duas nomeações assim que entrou na casa, optando por nomear a Diana e Joana Taful. Bernardo, de Évora, afirma nunca ter tido uma namorada pela sua forma de ser complicada, não gostando que lhe toquem na roupa nem que se metam na sua vida, sendo assumidamente uma pessoa nervosa. O Bernardo teve que eleger a dupla mais fraca para os colocar a viver por uns dias na toca, no jardim da casa, tendo eleito o Ricardo e a Tatiana com a desculpa de serem cromos repetidos que nada estão a acrescentar ao jogo.

BBPlay em mais uma gala, sem nexo algum por esta demonstração de imagens acabar por deixar os concorrentes oprimidos para exporem as suas ideias ao longo da semana por saberem que a qualquer momento as suas conversas vão ser expostas e causar ruído na casa. Se querem um jogo livre e espontâneo porque forçam com estes vídeos que acabam por deixar os concorrentes congelados em certos momentos? Contínuo a não concordar com este recurso dos BBPlays, mas a produção parece não conseguir fazer um jogo sem esta vontade de mais do mesmo. Unidos pelo BB com a guerra aberta entre a dupla Catarina e Miguel envolvendo grande parte do grupo nesta intriga que não se consegue entender desde o início. Corta Casacas 2022 foi o segundo vídeo da noite com o leva e trás que vários concorrentes vão criando na casa, no diz que disse aqui e acolá para tentarem gerar a discórdia e criarem conteúdo. Deixem os miúdos jogarem sem colocarem esta pressão meus caros senhores que criam o guião!

Momento Curva da Vida entregue ao Miguel, muito para lhe dar um pouco de mais protagonismo após nova semana em que se manteve em altas com as críticas na casa e com várias discussões onde teve o papel principal. O concorrente revelou nascer numa pequena aldeia onde pouco conviveu com crianças, crescendo muito sozinho. Em jovem adulto sofreu dois acidentes, teve uma desilusão de amor, licenciou-se, começou logo a trabalhar e voltou a apaixonar-se por uma mulher mais velha que o ajudou a encaminhar um novo caminho, ficou noivo mas o casamento não vingou, até que após várias derrotas e perdas se inscreveu no Big Brother e continua a achar, pelo seu egocentrismo, que não tem nada a perder. 

 

Desabafo

medo.jpg

A minha forma de estar na vida nas últimas semanas tem estado alterada, sentindo todo um vazio em meu redor. Já procurei ajuda e iniciei um processo que espero me venha a ajudar a reorganizar a nível mental, no entanto as coisas não acontecem de forma rápida como por vezes desejamos e deixo aqui um acontecimento que me ocorreu e que tentei controlar por saber que a vida tem de seguir e que preciso combater esta minha fase.

Fui ao teatro e optei por ir sozinho, sem procurar companhia para não incomodar os outros que não me têm de acompanhar perante as minhas vontades de fazer o que gosto. Fui até Lisboa, como a sessão foi às 19h00 e estava de folga nesse dia, optei por ir mais cedo, lanchei pela capital e mais perto da hora desci a Avenida da Liberdade de carro para estacionar e ir para o Teatro Nacional Dona Maria II, que para quem não sabe fica no Rossio. 

Tudo parecia bem, com os meus pensamentos solitários como companhia, mas o pior foi quando estacionei e do nada senti aquela vontade de voltar de imediato para trás, para casa com o pensamento, «o que estou aqui a fazer sozinho». Respirei, sentei-me num banco de jardim da Avenida e pensei que tinha de seguir porque tinha um objetivo naquele momento, eu ia ao teatro, sozinho, é certo, mas se tinha marcado era para seguir com a ideia. 

 

Casa Portuguesa no TNDMII

casa portuguesa.webp

Casa Portuguesa assinala o arranque da nova temporada do Teatro Nacional Dona Maria II e também a primeira criação de Pedro Penim enquanto diretor artístico da sala lisboeta.

Neste espetáculo a história de um ex-soldado da Guerra Colonial é colocada em manchete, uma vez que o debate perante a decadência e os fantasmas do passado são colocados em causa perante a representação atual do modelo ideal de casa, da família e da própria figura do pai e do homem na sociedade que vive de transformações. Num relembrar da história unido aos mais recentes acontecimentos democráticos, Casa Portuguesa é aquele retrato do que terá sido a imagem de uma casa familiar, do que é nos dias que correm e do que poderá vir a ser, com as suas alterações, vivências distintas e que vão deixando feridas abertas pela colocação de acontecimentos que transformam vidas. Recorrendo a temas bem fortes como o racismo, sexualidade, violência e traumas, Casa Portuguesa é o olhar do passado para questionar o presente perante as desigualdades que foram vividas através de opressões e injustiças.

Nos anos 40, num bar em Moçambique, três portugueses escreviam num recanto a canção Uma Casa Portuguesa, um fado representativo de uma nação e que seguia os ideias do Estado Novo. Hoje, passadas quase cinco décadas, esse mesmo fado contínua a ser cantarolado por muitos, embora a sua letra pudesse ter algumas achegas atuais como sinal de renovação a que a própria sociedade tem sido sujeita, alterando consigo assim a ideia do simbolismo da própria casa, da família e do pai. Casa Portuguesa começa com o canto critico e distinto da dupla Fado Bicha para dar lugar a uma história entre o passado e o presente.  

Distantes vontades

pensamentos.jpg

Perante as últimas tempestades que se têm feito sentir na minha pessoa, com alguma instabilidade psicológica a criar desalinho na minha vida, recorri a uma primeira consulta de psicologia como forma de ajuda a delinear um novo caminho na arrumação interna que tenho de fazer comigo próprio. Foi quase uma hora de sessão, onde me deixei estar livre para deixar fluir o que me transtorna, mas existe um apontamento que posso partilhar aqui contigo e que perante o qual muitas vezes não nos damos conta.

A diferença na forma como nos exprimimos através de certas palavras faz alguma diferença entre o que nos vai na alma, delineando o caminho entre o desejo com vontade e uma certa obrigação. Dou o exemplo da utilização das formas verbais Dever e Querer, existindo uma diferenciação entre ambas como se de um fosso se tratasse. Não nos damos conta, mas o certo é que mentalmente entre o quero e o devo existe um espaço enorme, já que o quero tem que surgir por uma vontade própria, como que um desejo, um sonho, e o quero é como se existisse como que uma obrigação ou imposição que nos fazemos a nós próprios, por vontades que muitas vezes nos ultrapassam ou pela pressão social, o que não transmite o que realmente sentimos, mas o que tem de ser feito.

20% e portes grátis na Wook

mw-970x250-billboardHoje, 29 de Setembro de 2022, todos os livros estão com desconto de 20%, incluindo as novidades, estando também qualquer compra com portes grátis na Wook.

Esta é mesmo a oportunidade que não podes perder para encher o teu carrinho de compras online, fazer o pagamento e em menos de nada, uns dois ou três dias, terem os teus novos companheiros literários do teu lado. 

Já sabes, só hoje, Quinta-feira, 20% de desconto em todos os livros disponíveis na Wook e com portes grátis para encomendas pagas até às 00h00.

 

Anúncio desperdiçado

empregos oportunidade.jpg

Há uns dias, do nada e sem procurar, surgiu-me no email um anúncio de emprego para uma empresa que pelos cálculos fica a uns quinze minutos de casa. Li todo o anúncio, achei que tinha capacidades para me aventurar numa candidatura e o que fiz? Exatamente nada, aliás até fiz, porque procurando na pasta de entrada do email e no espaço do lixo, não encontro o dito em lado algum, sei que não sonhei, mas o certo é que o vi e o despachei, dando-lhe atenção por uns momentos e depois no lugar de guardar para uns dias depois pensar se deveria tentar a sorte, mesmo tendo emprego, acabei por não lhe dar grande importância.

Agora queria, já pesquisei em várias páginas, e não consigo encontrar o raio do anúncio para lhe poder dedicar uma maior atenção com olhos de gente interessada e não de passageiros com a cabeça no ar. Ando tão despistado e com incapacidade de concentração em certas coisas que acabo por desperdiçar oportunidades que podiam ajudar a alterar o rumo da situação no momento.

Mais um Domingo, mais uma Gala de Big Brother

big brother.jpg

Mais um Domingo e a terceira gala da edição de 2022 do Big Brother aconteceu sem grandes lavarintos e alarmes, não que os concorrentes não tenham sido provocados para tal, mas o jogo já é tão comum entre produção e peões nos últimos anos que o público já não se deixa enganar tão facilmente.

A semana não foi de grandes movimentações, a produção bem tentou através da escassez de comida e de alguns jogos repetidos de criar guerrilha mas não conseguiu atingir o efeito desejado. O Domingo chegou e para que Cristina Ferreira tivesse temas para puxar pela gala semanal, eis que a noite começou logo com a expulsão da semana que acabou por ser dupla. Lembro que no passado Domingo, Ana, Catarina, Daniel, Frederica, Mafalda e Miguel ficaram nomeados, na Segunda-feira Miguel ao ser o menos votado para ser expulso ficou liberto, o mesmo sucedendo a Daniel na Sexta-feira, deixando o quarteto feminino a votos, o que acabou por ditar a saída da Ana com 37% da votação logo ao início da noite.

Rapidamente os concorrentes tiveram de nomear e ao final da noite, já como é habitual, a segunda saída da noite aconteceu. Os patrocinadores estão a dar forte nesta edição do Big Brother e até nas nomeações a UberEats teve um papel importante com presentes a aparecerem na casa através da empresa de entregas que também acabou por entregar envelopes que ditaram as regras nas nomeações. Nesta ronda de votos acabaram por ficar nomeados Diogo, Tatiana e Daniel, que se juntaram ao Miguel que ficou nomeado a meio da semana ao ter atendido o telefone ao Big Brother. Do quarteto de nomeados acabou por deixar a casa o Daniel com 73%. Assim, na mesma noite, o casal Ana e Daniel deixaram o jogo, sem deixar qualquer saudade, uma vez que mais ela que ele, foram concorrentes bem fracos e um autêntico erro de casting entre milhares de candidatos que tentaram a sorte.

Ao longo da noite os vídeos das tricas e mexericos nas costas uns dos outros foram vistos, com recurso a imagens do confessionário quando os concorrentes falam com o Big Brother, o que acho um erro, por mostrar que nem no confessionário podem dizer o que pensam na verdade por poderem ser desmascarados. A par disto Miguel, ao ser um dos concorrentes mais comentados pelo grupo, teve a oportunidade de ver um vídeo do que falam de si nas costas. Existiu ainda espaço para os famosos dilemas que deixaram por uns dias a casa sem garfos, ginásio e tabaco, o que vai suscitar, neste último caso, alguma confusão entre os concorrentes fumadores com o passar dos dias sem fumarem. 

O momento Curva da Vida desta vez foi duplo, com o Miro e a Diana a mostrarem os seus percursos. O mano Vemba relatou a sua história, destacando a presença dos seus avós na sua família. Enquanto adolescente sofreu um acidente de mota que lhe tirou o sonho de jogar futebol, seguindo já na fase adulta pelo caminho do álcool na noite, até que dois dos seus irmãos o puxaram para o mundo do espetáculo através da comédia mas nem sempre as coisas correram bem e chegou, já em Portugal, a trabalhar nas obras para sobreviver. No campo amoroso apaixonou-se jovem, foi pai, foi traído, traiu e está quase há um ano sem ver a sua filha. Já a Diana começou a sua história de vida com a traição do pai para com a mãe e o abandono que sentiu por parte do progenitor. Aos 13 anos foi diagnosticada com cancro, passando dois anos em tratamentos, que ajudaram a conseguir a ultrapassar a doença. Namorou, foi traída, com o fim da relação com alguma violência. Já separada, envolveu-se com o melhor amigo do ex-namorado e uns meses depois, com uma dor nas costelas, pensou que estaria novamente doente, percebeu que estava nas últimas semanas de gravidez, gravidez essa do amigo do ex-companheiro, sendo mãe no próprio dia em que foi ao hospital pelas dores fortes que sentia. Mãe solteira, com guarda partilhada, primeiros anos com um relacionamento complicado com a família paterna do filho, mas ao que parece tudo se foi resolvendo e atualmente existe estabilidade entre todos a bem da criança.