Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

20
Jun15

À Procura de Alaska

| O Informador

9789892316826.JPG

Aparentemente À Procura de Alaska é considerado uma obra mais fraca que A Culpa é das Estrelas, do mesmo autor, John Green. Eu, que já li os dois, acabo por ter a ideia contrária à maioria dos leitores. A razão? Aqui existe condimentos e uma história que vai surpreendendo, embora continue a dizer que este estilo de escrita e narrativa são descaradamente destinados ao público juvenil.

Escrito de forma simples e sem qualquer complexidade, À Procura de Alaska retrata a vida de adolescentes na fase de ensino secundário onde o amor, as curiosidades com as drogas e o sexo tomam lugar entre amizades, estudos e família. Dividido claramente em duas partes, antes e após o grande drama da obra, a narrativa envolve o leitor com Miles Halter, o protagonista que sempre procura a felicidade ao lado de alguém que de início parecia tão distante e vaga. Com jovens personagens criadas com particularidades únicas como a de Miles memorizar as últimas frases que figuras históricas proferiram antes da morte, o Coronel decorar as capitais de países e Alaska ser o apelidado bichinho literário, todos vão obtendo características que ajudam ao desenvolvimento de uma história comum. Com um caminho escolar paralelo através de corredores que mais parecem labirintos perdidos em busca do final da vida que poderá acabar da pior das formas. 

O que é a dor de perder um amigo, uma paixão e/ou uma grande amizade? Esta é a verdadeira mensagem que À Procura de Alaska passa e que me deixou a refletir caso tenha de passar por alguma situação do género com os que me são mais próximos. A partir de um certo momento do livro dei comigo a pensar em várias pessoas que se encaixam com determinadas personagens e como as reacções iam acontecendo. Não sei como ultrapassaria tal dor da perda de alguém que nos chegou por vontade própria e sem as obrigações dos laços familiares. 

Como ultrapassar a perda de uma pessoa tão especial é o grande lema que John Green coloca neste seu romance recheado de significados refletivos junto do leitor. Gostei e agora sim, o autor surpreendeu-me, ao contrário do que tinha acontecido com o tão bem criticado, talvez graças ao filme, não sei, A Culpa é das Estrelas. 

Sinopse
Na escuridão atrás de mim, ela cheirava a suor, luz do sol e baunilha, e, nessa noite de pouco luar, eu pouco mais podia ver além da sua silhueta, mas, mesmo no escuro, consegui ver-lhe os olhos - esmeraldas intensas. E não era só linda, era também uma brasa. Alaska Young. Lindíssima, esperta, divertida, sensual, transtornada… e completamente fascinante. Miles Halter não podia estar mais apaixonado por ela. Mas, quando a tragédia lhe bate à porta, Miles descobre o valor e a dor de viver e amar de modo incondicional. Nunca mais nada será o mesmo. Artigo com 2 anos de garantia.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    O Informador

    22.06.15

    Por mais que se tente evitar o pensamento sobre o "se fosse comigo" aparece sempre.
  • Imagem de perfil

    Catarina

    22.06.15

    Sem dúvida, e é isso que dá aquele toque ao(s) livro(s).
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes

    • O Informador

      Enquanto caminho é que não dá. Não vá tropeçar em ...

    • Anónimo

      Boa noite."Hábitos de Leitura: Portugal na cauda d...

    • marta-omeucanto

      Eu leio onde calhar, seja em casa, na rua, ou em s...

    • O Informador

      Principalmente quando minutos antes estivemos disp...

    • O Informador

      Acordar um pouco mais cedo, uns minutos apenas, e ...

    Mensagens

    Pesquisar

    Posts destacados