Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

12
Out20

Big Brother, voltar e dar de novo

bb revolução.jpg

 

Um mês de Big Brother e a falta de originalidade da produção do reality show voltou a imperar na última gala do início ao fim. Onde anda o lema da Revolução com que esta temporada tem sido apelidada? É que mudanças num jogo mais puxado ainda não foram sequer vistas, bem pelo contrário. Pelo menos desta vez sempre conseguiram criar algumas quezílias entre os nulos concorrentes para tudo ser exprimido ao longo da semana, se aquelas almas se conseguirem pensar que estou num jogo e que é necessário dar 《canal》.

Mensagens de familiares através de cartas onde as escolhas são feitas entre os concorrentes sobre quem lê e quem rasga os seus envelopes de contacto com os mais próximos, em escolhas onde reinou o poder da liderança na casa e as amizades. As guerras entre os concorrentes que entraram de início e o mais recente boneco do jogo, o Pedro, tal e qual aconteceu há uns meses com a Teresa a ser colocada logo de início contra todo o grupo da anterior temporada.

De seguida surgiram os amores e aconchegos de cama e por aqui lá conseguiram tentar mexer com o jogo, embora amoroso, para os próximos dias. Amizades e amores, quem procura quem e que jogadores estão prontos a apunhalarem os companheiros mesmo pelas primeiras oportunidades. Jéssica Fernandes e Renato, Zena e André Abrantes foram chamados à sala das decisões para verem imagens sobre as intenções e movimentações entre os vários pilares deste quadrado que ainda tem Catarina a sondar Renato. Jéssica e Renato já avançaram na cumplicidade, as imagens da proximidade de Renato com Catarina foram vistas por ambos na noite de Domingo e o clima azedou logo após o visionamento dos vídeos que mostraram alguma indecisão por parte do concorrente. André aconselhou durante a semana Renato a decidir-se e a controlar os seus impulsos e para se decidir sobre quem queria, já que tinha pelas suas proximidades uma sonsa Jéssica, a provocadora pela calada Catarina e a capacitada Zena, com quem André tenta desde o início do programa avançar para algo mais que amizade. No final de contas existe neste jogo do amor um quinteto bem estranho onde uns empurram para outros mas todos se estão a marimbar para os reais sentimentos de cada um, só não querem que cada um se aproxime do que é seu e não veja que existem mais janelas abertas na casa. Oh gente, amar e ser amado dentro do Big Brother é assim tão importante para estes serem para não viverem a experiência livremente e sim a pensarem em sair do jogo quase casados e com o parceiro errado? Jéssica ficou baralhada e de mal com a vida mas após uma noite mais quente tudo passa, Renato apanhado entre um cruzamento de três saídas, André pensa em Zena e só quer ver Renato ocupado com outra concorrente e a Zena que se engana para não criar inimizades, já que o seu coração pende para o Renato mas é André que anda a dar mimo como que um rebuçado de consolação. Em pleno intervalo parece que a situação azedou mesmo dentro da casa entre Jéssica e Renato e os pilares do suposto casal tão mal amanhado ruíram e empurraram cada qual para o seu canto. Ciúmes? Birras? Infantilidade? Tanto que existe entre estes concorrentes que mais parecem crianças a brincarem aos namorados. Paciência para estes casalitos é zero e a produção já devia ter percebido que estes casais não agradam de todo ao público. 

A guerra entre Joana e Rui Pedro continua! Joana diz não conseguir comer algo que seja cozinhado por outras pessoas sem estar a ver como tudo está a ser feito. Rui Pedro como líder da semana não a queria como cozinheira, Joana argumenta ter uma obsessão pela arrumação e limpezas, principalmente da cozinha, não gostando de pegar nos objetos para cozinhar que tenham sido mal lavados pelos outros. Ambos não se compreenderam e a discussão durou um dia, uma noite, um dia, uma noite e chegou até Domingo, colocando dois dos concorrentes com maior capacidade de liderança em confronto direto. 

E a curva da vida da noite que foi entregue ao Carlos, uma das plantas masculinas da casa. Infância feliz, distanciamento do pai e crescimento amparado muito pela mãe. Solidão e pensamentos interiores, a queda e um crescimento problemático com o diagnóstico de um problema mental do pai. Até que ao lado da família e com a namorada cresceu, aprendeu e viu a entrada num reality show como o finalizar de uma etapa para recomeçar de novo e sonhar com a felicidade ao lado das pessoas que o rodeiam atualmente no campo afetivo. O que aqui foi acrescentado? Isso mesmo, nada de novo!

No campo da expulsão da noite, a meio da gala o Carlos ficou livre e foi o primeiro a ficar livre, deixando Catarina, Jéssica Fernandes e Liliana a votação por mais uns tempos. De seguida Jéssica Fernandes a ser livre das votações. Nas contas finais Liliana ficou no jogo e a calada mas manhosa Catarina viu a porta da casa da Ericeira abrir com o convite para deixar o jogo. Pelo menos desta vez saiu uma planta que nem aqueceu nem arrefeceu e que com a sua saída só vem fazer com que outros concorrentes percebam que estar sem sentido algum na casa é meio caminho andado para verem a guia de marcha assim que possível.

Prova do líder banalíssima com concorrentes a tirarem um número do saco e por ordem virarem placas com números à sua escolha. Uns ficaram logo eliminados e outros eliminavam outro concorrente para não estarem em jogo pela liderança, voltando quem eliminou para a fila e poder continuar a caminho da liderança. Andreia ficou líder com um jogo de sorte e azar, escolhas e opções, onde com as escolhas de uns e outros e o azar da maioria, se ficou a perceber que Andreia líder e imune, logo sem poder ser nomeada como alguns estavam a planear, azedou meia casa. Certamente que será uma boa semana de liderança esta, pelo menos diferente do que aconteceu até aqui promete.

Nomeações aconteceram entre a sala e o confessionário com Pedro, Liliana, Joana e Carina a ficarem na corda bamba, só que com o líder a receber o poder da troca, Andreia optou por tirar Joana de votação e colocou o Renato, gerando um mal estar geral. Sendo assim Carina, Liliana, Pedro e Renato estão a partir de agora disponíveis para serem voltados pelo público. Por mim que saia o Renato, já que de casais estão os reality shows cheios ao longo de vinte anos do formato em Portugal.

Quem salvou a noite foi a rainha Pipoca Mais Doce com os seus radicais comentários. Criticou todos os sonsos concorrentes do grupo de pós-adolescentes que foram escolhidos para entrarem na casa, afirmou que nunca tinha visto lote de concorrentes mais enfadonho e contraditório que o atual, pediu desculpa a Teresa Guilherme por achar este grupo uma tremenda seca e um erro de casting enorme por serem chamados à atenção sobre o que dizem e discutem durante a semana e depois negam e disfarçam tudo quando são confrontados com imagens do que se passou. Ana Garcia Martins merecia mais tempo de antena nas galas dominicais mas parece que está a ser custoso a própria produção perceber que o público adora os comentários mordazes, diretos e reais da Pipoca, em detrimento de enche chouriços com mensagens de familiares e afins, quando os concorrentes entram na casa com um suposto período de isolamento sem qualquer contacto com o exterior.

Para a semana vem mais uma gala, que já se prevê ser tão mais do mesmo como as anteriores! 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.