Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Universitários-billboard

Insensível, eu? Nãooooooo!

Serei assim tão insensível para não conseguir ter pena ou ficar perplexo com as histórias de vida que os novos colegas de trabalho contam logo nas primeiras conversas que vão tendo?

Podem-me acusar de ser frio e trapel a sete, mas conforme os anos passam menos consigo encontrar verdades nas pessoas que vou conhecendo por obrigação laboral durante uns meses. Como o passado já revelou mentiras atrás de mentiras de vidas que muitas vezes nem existiam na proximidade da realidade, nos dias que correm estou sempre com um pé atrás com o que vão desfiando com os primeiros impactos sem quase lhes ser perguntado nada. 

Sim amigos, eu não quero que me contem a vossa vida porque não vos irei pagar contas, alterar o passado ou melhorar o que poderá ter sido o vosso sofrimento. Ouço, vou proferindo aquelas palavras de bom ouvinte como o «sim», «pois», «isso é chato» e a narrativa prossegue talvez para me conseguirem emocionar ao estilo dos entrevistadores dos programas de conversa que levam os seus convidados ao choro. 

Nos tempos que correm não me conseguem convencer sobre os sacrifícios que são feitos logo pelas primeiras impressões. Peço perdão se estarei a pecar por ser tão ausente de vidas que não me dizem respeito!

1 Comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.